Categorias
Ensino

Quick memories #03

“Lembranças rápidas”, como o nome diz, fazer lembrar o que sabemos numa perspectiva atual, dando um “up” em uma leitura de breve minutos; com o objetivo principal de enriquecer o nosso conhecimento e entendimento no exercício do “Chamado e Ofício”, depositados em nossas vidas.
1.ª Coríntios, 5:8 KJA
“Por isso, celebremos a festa, não com fermento velho, nem com o fermento do maligno e da corrupção, mas com os pães sem fermento da sinceridade e da verdade”.
A Ceia do Senhor no Novo Pacto.
Falar da Ceia do Senhor é trazer entendimento sobre o pão que se come e o sangue que se bebe, é falar sobre o único sinal visível da Graça de Deus, um dos temas mais profundos do Novo Pacto.
É trazer o memorial da morte e da ressurreição de Cristo em comunhão com os irmãos e discernindo o corpo para receber saúde. Temos um chamado para nos aprofundarmos no conhecimento da Graça. Precisamos de Revelação para entendermos este tema da Ceia, o qual, exige maturidade.
O novo pacto é a revelação do que estava oculto no velho pacto.
Romanos, 16:25 KJA
“Ora, àquele que tem o poder para vos confirmar, pelo meu Evangelho, segundo a proclamação de Jesus Cristo, em conformidade com a revelação do mistério oculto nos tempos passados”.
Cristo instituiu, Paulo recebeu do Senhor, defendeu e instituiu a Ceia do Novo Pacto e a tornou Sagrada, a qual, se faz em memória de Jesus. (I Coríntios, 11:23-25)
A Ceia do Senhor não é um ritual ou uma cerimônia.
Deus provê saúde e retira doenças e enfermidades pela Ceia do Senhor. Pelo pão, Corpo de Jesus, há saúde e pelo vinho, Sangue, há vida de Cristo em nós.
Seu corpo sofreu para hoje vivermos completos, perfeitos e sem doenças. Pelo seu sangue temos vida, força e energia. Toda doença ou enfermidade é neutralizada pela Ceia. Pão e vinho estão em toda a Bíblia de Gênesis a Apocalipse.
Melquisedeque no encontro com Abraão realizou a primeira ceia. Melquisedeque trouxe pão, vinho e Benção. (Gênesis 14:17-20)
1.ª Pedro, 2:9
“Porém, vós sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, cujo propósito é proclamar as grandezas daquele que vos convocou das trevas para sua maravilhosa luz”.
Apocalipse, 1:6 No novo pacto somos sacerdotes, portanto, o sacerdote realiza a ceia; sem revelação o homem não consegue discernir o valor da ceia do Senhor e do Sacrifício de Cristo.
Realizamos a ceia em memória de Cristo, pão e vinho são bênçãos na nossa vida, Ele levou sobre seu corpo as nossas enfermidades, doenças, fracassos e sua morte nos deu vida, nos fez novas criaturas. Veja no pão e no vinho o que os outros não vêem, que tu estás completo e justificado; amém.
@Ap Arruda(Yohanan Shamaym)

Categorias
Ensino

Quick memories #02

“Lembranças rápidas”, como o nome diz, fazer lembrar o que sabemos numa perspectiva atual, dando um “up” em uma leitura de breve minutos; com o objetivo principal de enriquecer o nosso conhecimento e entendimento no exercício do “Chamado e Ofício”, depositados em nossas vidas.
Romanos 8:37 “Contudo, em todas as coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.” Infelizmente as nossas traduções bíblicas traz o verbo “amar” na 3ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo mas na verdade Deus nos amará sempre. Muitos de nós, povo de Deus, temos a cultura de expressar versículos soltos para da ênfase numa profundidade errônea, como por exemplo: “Tudo posso na Naquele que me fortalece” (Fp 4:13), sem examinar o contexto. Ao refletir sobre o Amor de Deus no verso acima, entendi que apesar de nós, como filhos D´Ele, oramos, subimos aos montes (respeito aos que não fazem), porém, não amamos ao próximo no Amor Ágape.
Devolva a Deus, nosso Pai, o Eterno, o dízimo do Amor que Ele depositou em você.
Only God speaking to you! (Somente Deus falando a você) Shalom!
@Ap Arruda(Yohanan Shamaym)

Categorias
Ensino

Quick memories #01

Bem-vindos a estréia de “Lembranças rápidas”, como o nome diz, fazer lembrar o que sabemos numa perspectiva atual, dando um “up” em uma leitura de breve minutos; com o objetivo principal de enriquecer o nosso conhecimento e entendimento no exercício do “Chamado e Ofício”, depositados em nossas vidas.
Pré-julgar não é nosso direito! Quando a palavra de Deus nos faz refletir sobre “viver para si”, nos questiona por que fazemos a nossa vontade mediante aos nossos anseios e de acordo com o conhecimento, aplicado de maneira errada; passamos a ser juízes, proferindo pré-julgamentos para com outros. Pois todos compareceremos diante do tribunal de Deus.
Porquanto está escrito: “Por mim mesmo jurei, diz o Senhor, diante de mim todo o joelho se dobrará e toda língua confessará que Eu Sou Deus”.
Vamos refletir: Não quero dar ênfase sobre a vida e a morte biológica, e sim, do nosso viver ou adormecer espiritual.
Nos posicionamos, como cheios de conhecimentos teológicos, em pré-julgar ao próximo, principalmente ao nosso irmão ou nossa irmã em Cristo Jesus.
Por exemplo: os irmãos que jejuam criticam os irmãos que não jejuam, como também, alguns que receberam “o dom de variedades de línguas”, acham-se superiores dos que não receberam, talvez por que têm o entendimento distorcido sobre o “batismo do Espírito Santo”. Ao criticar o comportamento e ministério que está sobre o irmão ou a irmã, estou pré-julgando a escolha de Jesus, pois, foi Ele que nos escolheu para fazermos obras maiores.
Se verdadeiramente “pertencemos ao Senhor” não podemos adormecer espiritualmente ou seja “morrer em vida” para os desígnios e os propósitos de Deus para conosco; somos filhos, escolhidos para obras maiores e entre elas, exercer o “Amor Ágape” com excelência.
Em resumo, a palavra mencionada em Romanos, 14:7-11 nos admoesta mansamente, a estender nosso conhecimento alcançado aos nossos irmãos que estarão diante de nós e não ajuizá-los. Somos cooperadores para que eles sejam aperfeiçoados (Hb 10:14), assim como nós, também cumpram o “Chamado”, amém!
@Ap Arruda(Yohanan Shamaym)

Categorias
Ensino

A mesma atitude


1 Coríntios, 1:10 e Filipenses, 2:12
Suplico-vos, queridos irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que concordeis uns com os outros no que falam, a fim de que não haja entre vós divisões; antes, sejais totalmente unidos, sob uma mesma disposição mental e no mesmo parecer.
Portanto, se por estarmos em Cristo, temos algum poder, algum encorajamento de amor, alguma comunhão no Espírito, alguma profunda fraternidade e compaixão, completai a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude.
@Ap Arruda(Yohanan Shamaym)

Categorias
Ensino

Identidade

Nossa identidade é reconhecida pelo Chamado e os Ofícios exercidos desde de quê obedeçamos ao Pai, o Eterno.
Porque a cultura evangélica da ênfase ao cargo tipo: “Sou Pastor fulano de tal”. O Chamado e os Ofícios são diferentes do reconhecimento que a igreja faz. Quando reconhecemos o Chamado e os Ofícios, “a carteirinha” não traz a “unção” (conceito errôneo do Sistema em exigir “o doc” e não o testemunho do Espírito Santo).
Exemplo de uma apresentação de identidade: Sou Antônio Arruda, bem casado, uma filha, um genro, um casal de netos; servindo a Cristo nos ofícios: apostólico e profético no “Mova-se” e na “Igreja do Caminho”.
Em tempo: Ter uma mentoria é se posicionar alcançando êxito no Chamado, como também, no Ofício. O sonho de um pai ou uma mãe geracional é educar os filhos para serem melhores do que eles. Que façamos o melhor para nossos filhos.
@Ap Arruda(Yohanan Shamaym)